Casamento Slow: curiosidades e ideias para inspirar

Esse é o último post (aaaaaaaah) da mini série que criamos para falar sobre como desacelerar na hora de organizar um casamento. Mas não precisa se desesperar, eu ainda estarei por aqui caso alguma dúvida surgir, beleza? É só chamar! 

Nesse último post resolvi listar todas as coisas fora do convencional que optamos para nosso casamento. A ideia é que ele sirva como um guia de ideias para inspirar outras pessoas por aí. Vamos lá?

Os convites:

  • Fizemos todos os convites, um por um – Assim como os presentes para padrinhos e damas;

 

  • Nossas damas ganharam brincos e necessaires – uma amiga fez os brincos e minha sogra as necessaires;

 

  • As madrinhas receberam um lindo corsage para usar na cerimônia – tudo foi feito de forma artesanal pela super Susy;

 

     

O que vestimos:

  • Como já contei para vocês nesse post aqui, eu optei por não fazer/alugar o meu vestido em uma loja especializada, fui até minha costureira de confiança e resolvi fazer um vestido que tivesse a minha cara (e até já usei depois, acredita?);

 

  • Acessórios e sapatos foram pensados para que fossem muito usados depois e não só no dia do casamento;

 

 

  • Optamos por comprar o terno do noivo para ter uma opção cinza no armário para outras ocasiões diurnas (já foi usado mais de uma vez depois do casamento);

 

Cerimônia:

  • Não alugamos um carro de luxo para chegar ao local. Eu sempre quis chegar dirigindo um fusca e o Eric foi atrás de donos de fuscas até achar um que topava me deixar dirigir. Pagamos apenas um valor simbólico pelo aluguel.  *(para mim era muito importante não “ser levada” para casar, sabe?);

 

  • Optamos por não investir muito da nossa energia (e dinheiro) na decoração da área da cerimônia já que o casamento foi de frente para o mar e o resultado foi demais (menos é mais funciona sempre) – neste post eu conto mais sobre isso;

 

  • Convidamos a minha mãe para fazer nossa cerimônia ao invés de um celebrante. Achamos um pouco impessoal pagar uma pessoa desconhecida para falar sobre a nossa relação, aí quando pensamos em um nome da família/amigos concordamos que a minha mãe era a pessoa ideal, já que nos acompanhou de perto (além de ser uma pessoa confiante e que fala muito bem em público) – não descarte essa opção, é muito emocionante!

 

 

  • As minhas avós levaram as alianças, que, a propósito, eram de modelos diferentes uma da outra;
  • Não tivemos crianças na nossa cerimônia;
  • Convidei minhas amigas de infância para serem damas e elas entraram com vestidos iguais e um buquê de margaridas (nome da minha sogra) antes de mim (as fotos são uma atração a parte).

 

 

  • Só escolhemos músicas brasileiras tocadas na voz e violão por Patrícia e José Ribeiro;

 

  • Trocamos votos e foi muito legal;

 

  • Abrimos mão de ter vídeo do nosso casamento para nos mantermos no orçamento. Um casamento slow também tem a ver com não começar a vida de casados endividados, beleza?

 

  • Na nossa saída ao invés de jogar arroz, nossos convidados nos abençoaram com uma chuva de sal grosso;

 

Recepção e festa:

  • Foi tudo junto, não tivemos um momento de sentar e jantar. O menu foi volante então começamos a curtir a festa, comer e beber tudo junto e ao mesmo tempo, uma espécie de balada, sabe? Eu adorei o esquema!

 

  • A decoração foi simples – utilizamos vidros (garrafas e potes) que iriam para o lixo para colocar as poucas flores que optamos por usar.

 

  • Além disso, minha madrinha emprestou grande parte dos móveis da festa e até pedaço de janela que achamos por lá foi incorporado na mesa de doces.

 

 

  • O menu foi pensado para todos (vegatarianos e “carnívoros” haha), mas priorizamos frutos do mar pensando em aproveitar o que Florianópolis tem de melhor – valorização do regional;

 

  • Além de homenagear Floripa na comida, também optamos por servir um refrigerante produzido na região em garrafinhas retornáveis;

 

  • Os doces foram feitos por duas doceiras: uma já era minha amiga desde a infância, a outra se tornou durante os preparativos;

 

  • Minha sogra foi responsável por fazer todas as almofadas e jogos americanos da decoração, ela fez tudo durante a semana da festa;

 

Bom, infelizmente chegamos ao fim dessa série casamenteira, espero que tenham curtido.

Beijos da valen! 

 

Você também pode gostar de

6 Comentários

  1. Curti muito! Esse casamento é inspirador! Vou aproveitar a série para retornar nos preparativos e planejamento do meu.
    Adoramos que vc compartilhou mais um pouquinho! Gratidão!

  2. que post incrível, sério! Se quisesse daria para fazer um post sobre cada ponto, né? 😀
    deixa eu dar meu pitaco? que momento lindo aquele que vc diz ser importante nao “ser levada” para casar! Amei! tudo perfeito. Cada frase uma saudade desse dia maravilhoso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *