Apresentando: Mínima

Mesmo com pouco tempo de blog (começamos em maio desse ano), já contei aqui algumas histórias de pessoas e marcas que me tocaram de verdade. História de gente que deixou o emprego, mudou a carreira, descobriu o que amava ou o que, simplesmente, não gostava. Diversas histórias lindas e inspiradoras, mas nenhuma dessas me emocionou tanto quando a da Mínima e sua idealizadora, a Fernanda.

Apesar de ter se formado em publicidade, a Fe não estava 100% contente com sua profissão. Ainda bem que ela contava com duas paixões: dança e moda. E foram esses dois elementos que serviram de inspiração para criar sua terceira paixão (e acredito que a maior delas), a Mínima.

Consultoria de Imagem

A Fe resolveu seguir essa paixão por moda e passou a estudar na área. Depois do fim do curso iniciou um projeto de consultoria em sua cidade, Goiânia, conhecida por ser uma terra de gente linda e exigente (em relação à moda). Mas, nesse processo, algo chamou sua atenção. Todo guarda-roupas em que ela mexia por lá encontrava milhares de roupas paradas, encostadas, abandonadas. Sim! Sabe aquele modelo de blusa que foi moda no verão passado e agora você tem vergonha de usar? Foi isso que a Fe identificou, roupas marcantes e efêmeras. A partir daí uma luzinha acendeu. O que essas mulheres precisam? Elas precisam dos básicos! E dessa inspiração surgiu a Mínima.

 

Foco nos básicos

Pronto, a Fe já tinha descoberto como queria fazer acontecer. Agora precisava colocar em prática. Não é fácil. Ainda bem que no seu caminho encontrou uma super parceira e costureira mega competente, a Leide. As duas trabalham a todo o vapor para entregar peças lindas para a mulherada.

A marca não tem coleção nem temporada. As peças que são bem aceitas pelo público vão ficando e as que não tiveram tanta saída são descontinuadas, simples assim.

Para a Fernanda, um armário eficiente deve ser composto de 70% de peças básicas, com cores neutras, modelagens clássicas e algumas estampas atemporais. 

 

 

Eu estou encantada com a proposta da Mínima e muito feliz de poder contar essa história tão legal. Como eu falei no começo, nossa conversa foi sincera e muito emocionada.

Eu amo essas mulheres guerreiras que são as pernas e os braços de sua própria empresa. A Fe faz uns bicos até como modelo. E não tem nada de glamour, né? (a foto abaixo fala por si)

Fe, eu sei que essa trajetória não é fácil e que empreender é sempre um desafio, mas nunca esqueça aonde você quer chegar. Estarei sempre aqui para dar força para você e para a Mínima, estamos juntas nessa.

Obrigada por ter dado esse grande passo. 

 

Produção: Goiânia/GO

Instagram: @minimaoficial

  • Respeito na produção; 
  • Produção artesanal; 
  • Produção e valorização regional;
  • Design atemporal; 
  • Armário capsula;

Você também pode gostar de

5 Comentários

  1. Repensar o consumo, cortar os excessos, tentar viver mais com menos. Estão aí três bandeiras que vale a pena levantar num mundo tão fatigado de bandeiras, marcas e hashtags
    Parabéns para a Fernanda, pelo esforço, e para a Valentine, pelo olhar cuidadoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *